15
fev 17

Cinco dicas para founders de startups digitais

Cinco dicas para founders de startups digitais

1. Você precisará testar as ideias

Acredite, sua grande ideia pode não ser tão boa.

Quando imaginamos um novo negócio, grande parte dele é baseado em hipóteses que formulamos e tomamos como verdades: “Todo mundo tem celular”, “Todo mundo prefere cartão de crédito”, “Claro que as pessoas pagariam por esse serviço”.

As fases iniciais de uma startup deveriam estar voltadas a identificar:

  1. Quais são as hipóteses nas quais meu negócio está baseado?
  2. É possível validar alguma delas com dados disponíveis?
  3. É possível validar alguma delas com pesquisas? (quantitativas ou qualitativas)
  4. Qual o Mínimo Produto Viável que me ajuda a validar as hipóteses restantes?

2. Você vai ter que desenvolver um produto

Lembre-se que você está DESENVOLVENDO um produto, e não comprando pronto.

Muitas vezes conversamos com fundadores que acreditam que sabem claramente como será o produto e dizem que ele ficará “PRONTO” em alguns meses. Se fosse assim tão simples, provavelmente o produto já existiria.

Entenda que na verdade você vai criar, construir, desenvolver. Isso envolve adaptar, mudar de ideia, e evoluir constantemente o produto conforme os feedbacks que você vai obter e todas as coisas novas que você vai aprender ao longo da jornada.

Se você está desenvolvendo uma plataforma, enquanto ela estiver no ar, estará sendo desenvolvida. Ou por acaso você acha que o Uber, o Airbnb, e todas as outras plataformas digitais que você gosta ficaram “prontas” em um dia? Elas não estão sempre sendo atualizadas e reconquistando você com novas funcionalidades?

3. Não basta um produto…

É natural (e saudável) que uma startup inicie com foco total no seu produto e nenhuma organização.

No início, tudo será um pouco caótico. Mas não se assuste quando aos poucos outras necessidades forem surgindo. A primeira delas será o marketing, afinal, você precisará conquistar usuários. Você precisará saber vender e anunciar seu produto para que ele conquiste a tão desejada tração.

Quem não conhece algum caso de startup que ficou muito tempo desenvolvendo e melhorando o produto, e nunca conseguiu conquistar usuários suficientes para obter receita?

4. Pense como um empreendedor

Sabemos que você está apaixonado por sua ideia. Quando estamos imbuídos deste espírito falar em números pode parecer frustrante, pode parecer “menor”. Se vamos mudar o mundo, de que importam essas planilhas?

Queremos lembrá-lo que agora você deve pensar como um empreendedor, e isso inclui pensar em números:

  • Qual o tamanho do mercado em que vou entrar?
  • Quantos são meus possíveis usuários?
  • Como vou obter receita e quanto espero obter por usuário?
  • Quanto será investido em desenvolvimento, evolução e operação?
  • Quando será investido em marketing?
  • Tenho algum benchmark de outras startups semelhantes, quanto elas estão investindo?
  • Como e quando vou buscar investidores?

5. Não fique sozinho

Se você reparar, todas as 4 primeiras dicas têm algo a ver com a relação da sua startup com outras pessoas:

  1. Você precisa saber o que as pessoas pensam/como reagem de verdade, e não apenas contar com suas opiniões;
  2. Você precisa aprender e capturar feedback, porque o que importa é o que os usuários estão achando do seu produto, e não o que você acha;
  3. Uma startup precisa de muitas competências diferentes, e provavelmente você não conseguirá fazer tudo sozinho: você provavelmente precisará de outros parceiros e sócios;
  4. Na maioria dos casos, você precisará de investidores

Juntas, elas nos levam à última dica: Não tente ficar sozinho. Pelo contrário, se esforce para encontrar as pessoas, parceiros, investidores e usuários que vão ajudá-lo a construir essa ideia.

Muitos fundadores tem um certo medo de envolver pessoas novas na empresa, de perder o controle. Outros nunca se sentem preparados, estão sempre esperando que a empresa ou o produto estejam mais maduros. É importante escolher bem. Mas não insista em ficar sozinho.

Dica adicional 1: Você precisa aprender a conviver com o inacabado.

  • Sua equipe nunca vai estar completa, mas vai ter que fazer acontecer com o que tem.
  • Seu produto nunca estará 100% pronto, e mesmo assim você precisará lançá-lo.
  • Sua campanha de marketing nunca vai estar tão completa quanto você gostaria, mas vai ter que colocar na rua.
  • Você nunca vai ter certeza completa de que vai dar certo, e mesmo assim precisa decidir o que fazer.

Entenda que esse fenômeno é a própria natureza da startup. Você está crescendo mais rápido do que sua “organização” acompanha. Isso é ótimo!

Dica adicional 2: Dá trabalho. Essa é uma nova empresa e você está criando ela do zero.

Algumas vezes vemos fundadores que esperam que depois de alguns meses tudo estará pronto, organizado e que então poderão continuar com suas rotinas normais.

Para ganhar tração, a startup exige muito trabalho, muitos contatos, muitas visitas, etc.
Para buscar um investidor, você terá um trabalho gigante participando de eventos, apresentando a empresa, etc.

E com o sucesso, o trabalho só vai aumentar: a empresa estará crescendo e você precisa correr atrás para criar a estrutura necessária.


Quer entender a importância de idealizar, estruturar e planejar as ações antes de iniciar um projeto? Acesse o whitepaper sobre Concepção e Anteprojeto.

Acessar conteúdo

Karina Hartmann
Karina Hartmann

Karina é Gerente de Projetos de desenvolvimento de software e nos últimos anos tem trabalhado na concepção de produtos para startups digitais. Mestranda em administração pela UFRGS, formada em Matemática aplicada, Pós-graduada em Governança de TI. Tem as certificações CSM, PMP, CFPS e CPRE-FL. Também já foi Analista de sistemas e Programadora Java.

Deixe uma resposta