08
mai 18

Qual a importância da concepção e anteprojeto no desenvolvimento de software?

Qual a importância da concepção e anteprojeto no desenvolvimento de software?

A pergunta que mais escutamos de nossos clientes e que resolvi ajudar a responder com um post em nosso blog é: qual a importância de se realizar, antes de começar o desenvolvimento de um app ou sistema, uma etapa de concepção e anteprojeto?

Primeiramente, vale esclarecer que o processo de concepção, como seu próprio nome diz, tem por objetivo auxiliar no desenvolvimento da ideia de produto que o cliente deseja, a partir da compreensão de qual problema o produto se propõe a solucionar, quem serão os seus usuários e como ele irá gerar valor para o negócio.

Na ideação, etapa inicial do processo de concepção e anteprojeto, ajudamos a expandir a ideia do que se quer desenvolver com uma série de técnicas criativas, que ajudam a dar forma ao produto idealizado. Esse processo criativo é desenvolvido em conjunto com uma equipe multidisciplinar, que entende não somente de tecnologia, mas também possui conhecimentos sobre o “negócio” a que se destina este novo software. O resultado desse trabalho contribui para “materializar” a ideia  do produto, permitindo identificar a qual modelo de negócio ele pertence – o que nos leva ao entendimento sobre as funcionalidades que ele precisa oferecer.

Após a etapa de ideação, passamos a uma fase mais voltada para o software, que chamamos de estruturação. Nela, começamos a trabalhar na definição das funcionalidades do produto, quais tecnologias serão usadas, os requisitos não funcionais (segurança, design, continuidade, etc), e outros aspectos.

A última etapa da concepção e anteprojeto, de planejamento, se preocupa então em pensar nas estratégias para o desenvolvimento. Utilizamos os resultados das etapas anteriores e elaboramos estimativas iniciais de esforço, tempo e custos. Tais estimativas, que sabemos, ainda são de alto nível, são úteis para que todos os envolvidos tenham uma noção do tamanho do projeto, além da importância das mesmas para buscar investimento (no caso de startups) ou organizar o projeto. Nessa fase, também pensaremos juntos nas melhores estratégias: por exemplo, se seu produto é inovador, é importante pensarmos em como validar a ideia com usuários reais através de um Mínimo Produto Viável (MVP).

O resultado final dessas 3 etapas (ideação, estruturação e planejamento) é uma visão clara do produto e de como ele será construído, o que permite começar o desenvolvimento do software com muito mais foco e sem desperdício.

Cabe destacar que, além de ajudarmos a estruturar o como fazer, nosso time apoia com visões de como não fazer! Com a experiência da nossa equipe na construção de centenas de produtos digitais, orientamos nossos clientes em relação a evitar problemas como a incorreta priorização de funcionalidades, a demora no lançamento do produto, o uso de tecnologias obsoletas, etc.

Por essa e outras razões, investir no desenvolvimento de um anteprojeto é pensar de forma estratégica e inteligente.

Nossos números: nos últimos dois anos realizamos o desenvolvimento de 96 anteprojetos para os mais diversos negócios e perfis de clientes, desde startups até grandes empresas. O feedback é sempre o mesmo sobre a importância do trabalho realizado: visão do produto e previsibilidade que apoiam a tomada de decisão, e, claro, melhores softwares e usuários mais felizes.

Quer conhecer mais sobre como fazemos uma concepção e o desenvolvimento do anteprojeto? Baixe nosso material e entre em contato!

Acessar conteúdo

 

Photo by Daria Nepriakhina on Unsplash
Osmar A M Pedrozo
Osmar A M Pedrozo

CEO da SoftDesign. Mestre em Administração pela UFRGS. Professor de Gerenciamento de Custos em Projetos da Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos da Unilasalle e UCS. Desde 1990 trabalhando com Tecnologia da Informação.

Deixe uma resposta