18
jul 18

SoftDictionary: Universo do UX Design

SoftDictionary: Universo do UX Design

Houve um tempo em que o Designer tinha como premissa escolher uma área de especialização específica para atuar em empresas de Tecnologia da Informação. Sendo assim, era comum que o time de Design de Produto contasse com pessoas com focos distintos para as fases de Pesquisa, Ideação, Prototipagem e Implementação.

Com a necessária popularização da Cultura do Design em empresas médias, pequenas ou startups, alguns UX Designers optam por adotar uma posição mais generalista e que transita entre diferentes disciplinas, a fim de colaborar em todo o ciclo de vida do projeto.

Para entender melhor as diferenças entre cada uma dessas áreas, e como elas trabalham juntas para resolver problemas, vamos destacar alguns dos conceitos básicos que giram em torno do universo do Design de Experiência, popularmente conhecido como UX.

Pesquisa com Usuários (User Research)

Apoiada em uma variedade de técnicas e metodologias quantitativas e qualitativas, a Pesquisa com Usuários pode ser feita antes, durante e depois do desenvolvimento de uma ideia, sendo essencial para a validação de hipóteses e para aumentar consideravelmente a taxa de sucesso de um projeto. Ela tem o objetivo de investigar sistematicamente o comportamento das pessoas que possivelmente utilizarão o produto ou serviço que está sendo idealizado e, por meio da interpretação dos dados coletados, proporciona a compreensão dos diferentes contextos, a descoberta de padrões, e o mais importante: se o problema que a solução se propõe a resolver realmente existe.

Arquitetura de Informação (Information Architecture / IA)

É o levantamento, interpretação e categorização das informações em uma estrutura coerente e adaptada a um contexto de uso que aprimora a encontrabilidade e usabilidade de uma solução. Trocando em miúdos: é organizar e apresentar dados da forma mais clara e coerente possível, facilitando a percepção e compreensão imediatas. Curiosamente, a importância dessa prática fica evidente justamente quando não é percebida, pois o usuário é capaz de consumir as informações de forma natural e intuitiva, sem ser interrompido pela sensação de estranhamento ao longo da interação.

Design de Interação / Usabilidade (Interaction Design / Usability)

Diferente da Arquitetura de Informação, que acaba tendo um papel mais passivo, o Design de Interação é responsável por literalmente conduzir o usuário ao longo da experiência, respeitando seus diferentes contextos, traçando jornadas e fluxos para auxiliar na forma como as pessoas se relacionam com a solução. Quando esta for uma interface digital, por exemplo, os elementos a serem organizados e estrategicamente posicionados são textos, imagens, links, botões etc. Já quando se tratar de um processo ou serviço, o objetivo é identificar, mapear e adequar as relações entre cada um dos pontos de contato entre usuário e solução.

Design de Conteúdo (Content Strategy / UX Writing)

Consiste na definição e criação da linguagem pela qual o produto ou serviço pretende se comunicar. Não envolve apenas o tom de voz e posicionamento a ser traduzido pela escrita, mas também em qualquer outra forma de conteúdo multimídia, como vídeos, áudios, fotos e ilustrações. Uma boa estratégia de conteúdo deve manter a consistência e identidade nas diferentes plataformas em que a solução se apresentar, causando, assim, a identificação e o vínculo com seu público.

Design de Interface (Interface Design / UI / Visual Design)

É a parte mais visível do processo que, a partir de conceitos psicológicos e da utilização técnica de cores e formas, desperta atalhos cognitivos no ser humano e torna as soluções visivelmente harmoniosas e belas. É uma das últimas etapas a serem executadas, pois leva em consideração todo o estudo e conhecimento adquirido ao longo do processo de concepção e planejamento. Em UX Design existe uma pequena confusão de que essa é a fase mais importante e que apenas dela é possível extrair um produto ou serviço que pode ser considerado bom. Na verdade, o sucesso vem mesmo é da combinação de todas essas disciplinas e métodos conduzidos por profissionais especialistas.

Onde aprender mais?

O time de Design de Experiência aqui da SoftDesign está sempre em busca de embasamento e referências sólidas para investigar comportamentos e aplicar as metodologias de Design nos projetos. Para isso, utilizamos como apoio teórico as publicações dos estudos conduzidos pelo NN Group, liderado por dois gigantes do Design e Usabilidade: Don Norman e Jackob Nielsen.

Já para manter o contraponto entre o estudo científico e o empírico, mantemos o hábito de acompanhar as novidades desse universo que não para de crescer e evoluir por meio de um dos principais canais que agrega conteúdos sobre o tema: o UX Collective Brasil.

Participar dos eventos que movimentam os especialistas dessa comunidade também é uma boa forma de começar a se aprofundar. Nesse ano, já estivemos na UXConfBR e estamos nos organizando para prestigiar o Interaction Latin America em novembro. Fica ligado(a) aqui no Blog e também no Instagram para acompanhar com a gente.

Quer entender melhor como o UX Design funciona? Baixe o nosso whitepaper!

Acessar conteúdo
Natália Franciele de Oliveira
Natália Franciele de Oliveira

Lead Designer na SoftDesign, é graduada em Comunicação Digital pela Unisinos e especialista em Design de Experiência. Estudante assídua de Antropologia, Psicologia e Neurociência, transita entre diferentes disciplinas para compreender o comportamento humano e ajudar a desenvolver soluções coerentes para problemas reais.

Deixe uma resposta