20
nov 18

WeWork: Uma Startup de Sucesso

WeWork: Uma Startup de Sucesso

Talvez você nunca tenha ouvido falar na WeWork, afinal a startup norte-americana é relativamente nova: foi lançada em 2010. Porém, o crescimento exponencial da rede global de espaços de trabalho tem atraído a atenção do mercado e, na última semana, o japonês SoftBank informou mais um investimento de US$3 bilhões na empresa – eles já possuem 20% da mesma.

Quem é a WeWork?

Avaliada atualmente em US$20 bilhões, a WeWork é hoje uma das mais valiosas empresas de capital fechado do Estados Unidos. Focada em alugar espaços compartilhados de trabalho que misturam design elegante e tecnologia avançada, a empresa possui 335 mil escritórios em, ao menos, 24 países do mundo, inclusive no Brasil.

Entre seus clientes estão o Facebook, a Microsoft, a IBM e a Braskem, além de outras inúmeras organizações que optaram pela empresa que também oferece serviços de TI e RH para seus inquilinos. Até o final do ano, a WeWork pretende ter 400 mil pessoas trabalhando em suas locações, e quer fechar o número de quinze escritórios no Brasil.

Mas afinal, como a WeWork cresceu e se destacou tão rápido?

Propósito e público

O primeiro grande diferencial da empresa é a sua a razão de existir. Desde o início, seus fundadores quiseram criar uma comunidade global e redefinir o conceito de trabalho, tornando os ambientes corporativos mais leves e alegres, incentivando a criatividade e a conexão entre as pessoas.

Por isso, designers e arquitetos pensam e criam cada escritório de forma única, considerando características da localização do mesmo e finalidade ao qual se destina. Também por esse motivo, seus espaços são alugados para desde profissionais autônomos e startups até grandes empresas, que podem se beneficiar das trocas proporcionadas pela convivência diversificada e colaboração mútua.

Excelência e mobilidade

Além disso, para que a operação de todos os escritórios funcione bem e atenda às expectativas, o contato com os colaboradores e clientes da WeWork se apoia em tecnologia. No aplicativo da empresa é possível programar visitas técnicas, avisar eventuais problemas administrativos, fazer sugestões e reclamações, por exemplo. Tudo em tempo real e sem barreiras burocráticas. Ah, e se você trabalha em qualquer escritório deles, pode optar eventualmente por alguma das outras unidades da cidade – para fugir do trânsito – ou do mundo – no caso de uma viagem.

Assim fica mais fácil entender porque o SoftBank está apostando na gigante dos coworkings, não é?

Fontes: Exame, The New York Times, We Work

Micaela L. Rossetti
Micaela L. Rossetti

Coordenadora de Marketing da SoftDesign, é formada em Jornalismo (UCS) e mestre em Comunicação Social (PUCRS). Especialista em comunicação e marketing digital, é aluna do MBA em Gestão de Projetos da PUCRS.

Deixe uma resposta